29 de mar de 2011

ESTÉTICA AO EXTREMO

A busca desregrada pelo ideal estético está em um momento de controvérsia social. Depois do post “Extreme Beauty In Vogue” resolvi escrever um pouco mais sobre ESTÉTICA e MUDANÇAS.

Começo com um questionamento: O que é a beleza afinal?

É tão subjetivo e questionável, que eu não consigo pensar em algo concreto que responda. SAGRADA por causas enigmáticas, a busca descomunal pela beleza tornou-se constante e comum na existência de tantos. Na era da cirurgia plástica estética (NO MÍNIMO VIA PHOTOSHOP) os padrões de beleza são impostos de modo rotineiro e o corpo perfeito tornou-se uma obsessão.

O que pretendo abordar aqui são as ilimitadas percepções alistadas aos padrões estéticos. Percepções, que não podemos contestar, pois estão ligadas a ideologias do que a beleza representa no entendimento particular.

Rick Genest - New Face da moda, autêntico alega:

"Eu não quero que moleques façam isso e arruinem seu futuro. É uma coisa que deve estar dentro de você. Você tem que ter certeza do que quer."



Amanda Lepore - Modelo transgênero. Exemplo na busca extrema de estética.

"Há sempre uma cirurgia nova a ser mostrada."

Atualmente, as pessoas não se envergonham em expor sua busca pelo ideal estético. Ao contrário disso, querem mostrar o que realmente são (ou buscam ser) e afirmar sua identidade e conceitos de vida através do corpo e comportamento, independente do “makeover” atrelado.

Diante da diversidade de estilos e da globalização, o consentimento social em relação a diferenças e escolhas pessoais está mais flexível. Em tempos de democratização social, cada um segue o padrão que mais lhe agrada.


O luxo simples nos dias de hoje está mais ligado a sensações e ao emocional do que ao que é caro e ostensivo. Esse novo luxo é pessoal, se refere ao que dá prazer e bem estar para cada indivíduo. Ele valoriza o simples, a memória, a cultura, as experiências, as emoções...Nada é empecilho, tudo é válido e divertido para se permitir esse simples luxo. (SENAI DESIGN, Perfil Moda Inspirações + Tendências Verão 2010/11, 2010, p. 8)


Após ler o trecho do texto acima sobre novos anseios sociais de comportamento, concluí que estávamos em tempos de encontrar nossa verdadeira identidade. Mas mudei minha concepção após refletir um pouco.

Com a acessibilidade atual, noto que as pessoas (não todas) estão pouco preparadas para a informação simultânea e para a influência da mídia. Deste modo, acabam se perdendo diante dos fatos e deixando de avaliarem seus próprios conceitos e valores estéticos, levando em consideração simplesmente o que lhes agradam no momento específico.

Isabelle Caro Before - Modelo e atriz francesa

 Faleceu em 2010 com 28 anos e com anorexia extrema.

Com esta tendência de “ser o que quiser” a auto-afirmação e altivez são acoplados automaticamente ao indivíduo que alcança o ideal estético desejado. Justamente neste ponto estaria o agente do descontrole estético. Nós nunca estamos satisfeitos. Seres humanos são inconstantes e a busca pelo novo é habitual.

Kerry aplicando botox na filha Britney de 8 anos.

Kerry: "O que eu faço para Britney vai ajudá-la a se tornar uma estrela ... mais mães deveriam fazer isso com suas filhas."

Britney: "Toda noite eu checo se estou com rugas – se vejo alguma quero mais injeção. Elas doíam, mas agora não choro tanto. Também quero seios e uma operação no nariz, para que eu seja uma estrela."

Diante da imposição estética constantemente mutável e a busca desregrada pelo ideal de beleza, podemos observar que são os itens relevantes quanto a PERCA ou AFIRMAÇÃO de um conceito de vida e identidade pessoal.

AUTENTICIDADE SEMPRE. Tendência mesmo é considerar quem realmente somos e quais nossos valores.

Nenhum comentário:

Postar um comentário